Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anathema

"Todos elogiam o sonho, que é o descansar da vida. Mas é o contrário, Doutor. A gente precisa do viver para descansar dos sonhos"

"Todos elogiam o sonho, que é o descansar da vida. Mas é o contrário, Doutor. A gente precisa do viver para descansar dos sonhos"

...

Dezembro 31, 2020

Anathema

 

...

Dezembro 31, 2020

Anathema

 

...

Dezembro 31, 2020

Anathema

 

...

Dezembro 30, 2020

Anathema

 

...

Dezembro 29, 2020

Anathema

 

 

 

...

Dezembro 29, 2020

Anathema

 

 

Não ligues. Desliga. Não dês importância. Desvaloriza. Não te sintas oprimido. Descomprime. Não fiques a pensar nisso. Deixa. Desapega-te. Não vale a pena deixares que essas opiniões negativas te persigam. Desprende-te. Não deixes entrar pessoas poluentes e que se infiltram no que construíste para o destruir. Desintoxica-te. Não aceites menos do que mereces e não te convenças de que chega. Desaceita. Não dês abrigo a mágoas ou rancores. Desaloja-os. Não carregues culpas que não são tuas. É hora de desalijar. Se essas pessoas não te fazem bem ou te querem mal, desamiga-as. Se deixarem pingar a maldade, passa uma esponja e desinfeta. Assim, não deixam marca. Se te quiserem barrar o caminho e tornar o teu percurso mais difícil, vai mais cedo e desimpede-o. Quando chegarem, já não te apanham. Se quiserem que digas sim, desobedece. Se quiserem que digas não, desobedece. Tu é que sabes o que queres. Se há coisas que não te agradam, corta com elas. Faz um novo corte. Despenteia a rotina. Desenleia os nós. Desenreda o que está enredado e não te importes de não fazer coro. Às vezes, é preciso destoar.
Bom dia!! 🌷🌷🌷
 
lado.a.lado

...

Dezembro 27, 2020

Anathema

 

...

Dezembro 26, 2020

Anathema

 

...

Dezembro 26, 2020

Anathema

 

...

Dezembro 26, 2020

Anathema

 

 

Nem sempre o que deixa de existir deixa de estar. Às vezes, deixar de existir é apenas outra forma de estar. É como a chuva. Ao parar de chover, a chuva deixa de existir como chuva, mas a sua água infiltrou-se nos campos e regou as flores e juntou-se ao leito dos rios como memória da chuva que um dia será novamente. Nem sempre o que deixa de existir deixa de estar. O corpo das coisas que habitam o mundo pode morrer e pode desaparecer da nossa vista, mas nunca morrerá aquilo que nos habita e o coração não precisa de ver para crer. Deixar de existir não é deixar de estar presente. Há coisas e pessoas que foram e que nunca deixarão de ser. Mesmo que os seus passos deixem de se ouvir e que o seu olhar deixe de cair sobre o nosso como a chuva quando chega o tempo de parar de cair, já o som desses passos e a luz desse olhar se infiltraram em nós e somos nós esse leito de que o nosso amor é feito. Não faz mal que a chuva deixe de ser chuva quando permanece naquilo que regou.

lado.a.lado

Pág. 1/7

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub